sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Matizando as cores

Matizando as cores
Caneca azul e flores do campo, de Charles Reid, óleo sobre ela, 66 x 66 cm.
Coleção particular.


As pinturas em geral apresentam áreas em tons claros, que parecem quase brancas, mas que, examinadas atentamente, revelam conter proporções mínimas de outras cores.
A natureza-morta (na figura acima) está inundada de luz, mas quase não contém branco puro – as flores, o vaso, a moldura da janela, a tigela, os pratos e até a água a distância foram todos pintados com brancos matizados. Mudanças de cor sutis como o desse exemplo ajuda a relacionar entre si os elementos de uma pintura e impedem que certas áreas tornem-se monótonas.
Observe também como a temperatura das cores reforça o jogo de luz e sombra. Um rosa quente indica a luz do sol – no parapeito, por exemplo. Em contraste, as partes sombreadas tendem para o azul-malva frio, o inverno térmico do rosa.
Poder de coloração:
Algumas cores são tão fortes que basta um toque para afetar a cor da mistura. Outras – as de baixo poder de coloração – só aparecem quando você acrescenta grandes quantidades.
Quente ou frio:
A temperatura da cor da principal fonte de luz pode ajudar a decidir se devemos pintar com cores quentes ou frias. A luz do sol e a elétrica tendem para o quente, enquanto a refletida do céu é quase sempre fria.
Quer fazer o Download deste curso completo no Formato PDF? Então Clique Aqui!

4 comentários:

  1. quando temos um dom e dividimos com quem gosta nos tornamos compreto

    ResponderExcluir
  2. O importante é o sentimento que inspira as palavras. Erros de digitação são pequenas pedras no caminho para a evolução da empatia que envolve o leitor com a força da expressão criativa, imaginativa e inspiradora, que só ocorre quando somamos experiências coletivas às pessoais. Mais importante é saber que nos eternizamos em nossas obras, boas ou más...
    Wal Graceli

    ResponderExcluir